Autor: Luiz Eduardo Luz

Publicitário, amante da sétima arte e colecionador de filmes, escreve sobre cinema para o Canto Dos Clássicos. Frase preferida do cinema: “Tudo bem, Sr. DeMille, estou pronta para o meu close-up.” – Crepúsculo dos Deuses.

7.6
Cinema

É comum, na época do ano imediatamente anterior ou posterior à cerimônia de entrega do Oscar, que venham à tona discussões acerca de artistas “injustiçados” historicamente pelos membros da Academia. Um dos maiores casos desse tipo, de toda a história de Hollywood, foi o do diretor Howard Hawks. Mesmo que tenha atuado concomitantemente a grandes gênios como John Ford e Billy Wilder, ele conseguiu construir uma carreira monumental ao longo de décadas, colecionando clássicos e admiradores pelo mundo todo. Entre algumas das curiosidades notáveis acerca de Hawks estão o fato de ele ter lutado na Primeira Guerra Mundial e o…

Leia mais
8.3
Cinema

Dentro da nouvelle vague, movimento cinematográfico rebelde que buscava a renovação do cinema francês na virada da década de 50 para a de 60, existem alguns nomes essenciais, como François Truffaut e Alan Resnais. Porém, nenhum nome desse grupo de jovens realizadores é mais conhecido do que o de Jean-Luc Godard. Ele talvez seja, ainda, o nome mais fácil de reconhecer do cinema da França. Godard, assim como muitos outros diretores da nouvelle vague, era crítico de cinema (da revista Cahiers du Cinéma), e, insatisfeito com a fase ruim e o comodismo que via na sétima arte em seu país,…

Leia mais
8.5
Cinema

A cultura samurai sempre foi um dos traços marcantes da definição de identidade do povo e da história do Japão. Por ser tão importante, sempre foi tema recorrente na arte do país. No cinema, foram tantos os exemplos de filmes deste tema que, praticamente, formou-se um gênero à parte: o chamado cinema samurai. Algumas obras desse movimento são extremamente conhecidas em todo o mundo, como Yojimbo (que inspirou Sergio Leone a realizar Por Um Punhado de Dólares) e Os Sete Samurais, um dos maiores filmes da história, ambos do lendário cineasta japonês Akira Kurosawa. Enquanto muitos desses filmes exaltavam os…

Leia mais
7.0
Cinema

Em 1955, dois anos após realizar seu filme de estreia, Medo e Desejo, o grande cineasta Stanley Kubrick lançou A Morte Passou Perto (The Killer’s Kiss), seu segundo longa-metragem. Assim como no anterior, ele editou, fotografou, produziu e dirigiu o filme. Diferentemente da maioria de sua filmografia, na qual usa roteiros adaptados de livros notáveis e de outros autores, a história de A Morte Passou Perto é original e de autoria de Kubrick. Com apenas 26 anos na época da produção, o diretor havia passado a maior parte de sua vida em sua cidade natal, Nova York. Logo, a metrópole…

Leia mais
8.0
Cinema

Há mais de trinta anos, os irmãos Joel e Ethan Coen vêm realizando filmes que são considerados “diferentes” do padrão hollywoodiano. Seja por seus personagens não unilaterais, por seu humor negro e muitas vezes cínico, ou pela estrutura anormal de seus roteiros, em que nada é garantido e tudo pode acontecer, não importa qual for o caráter ou a história dos envolvidos. Atualmente, a dupla já possui uma das filmografias mais importantes das últimas décadas, dotada de clássicos como Barton Fink, Fargo e Onde Os Fracos Não Têm Vez, e é fácil traçar um panorama estético de suas carreiras. Porém,…

Leia mais
8.0
Cinema

Steven Spielberg já se referiu diversas vezes ao filme A Cor Púrpura pela alcunha de seu “primeiro filme sério”. Na opinião do cineasta, foi a primeira vez em sua carreira que dirigiu um material com fins exclusivamente artísticos, que tratava de assuntos sérios e fugia do simples entretenimento (embora muitos de seus filmes consigam mesclar ambas as coisas). Então, em 1985, já estabelecido como um dos profissionais de maior sucesso de Hollywood, tendo filmes como Tubarão, E.T. e Indiana Jones em seu currículo, Spielberg decidiu dirigir A Cor Púrpura, adaptação do romance homônimo de Alicia Walker, publicado três anos antes…

Leia mais
8.2
Cinema

Nascido na Polônia, de pai e mãe judeus, no começo do século XX, Billy Wilder teve de fugir da Europa devido à ameaça do nazismo. Quando chegou aos EUA, estava tendo dificuldades em entrar no país por conta da falta de alguns documentos. O agente do governo que estava impedido sua entrada, após muita insistência do jovem cineasta, perguntou como que ele ganhava a vida. “Eu escrevo filmes”, respondeu o imigrante. “Então faça bons filmes”, disse o homem, carimbando a autorização de entrada. Wilder disse que passou toda sua vida tentando cumprir a promessa que fez ao agente que salvou…

Leia mais
7.6
Cinema

O estadunidense Ernest Hemingway é um dos nomes fundamentais da arte do século XX e um dos pilares de toda a literatura contemporânea. A qualidade de sua obra é diretamente proporcional a agitação de sua vida. Quando jovem, foi motorista de ambulância durante a Primeira Guerra Mundial, na Itália. Além disso, cobriu, como jornalista a Guerra Civil Espanhola e, como resultado do tempo em que viveu lá, virou informante especial dos EUA sobre simpatizantes do fascismo situados na Espanha, durante a Segunda Guerra Mundial. Somado a isso, foi casado quatro vezes e morou, nos anos 20, junto com outros grandes artistas…

Leia mais
8.6
Cinema

O mestre do suspense sempre teve uma visão muito característica e peculiar sobre a sétima arte. Alfred Hitchcock não estava interessado em retratar a realidade em seus filmes. “O drama é a vida sem as partes chatas”, disse uma vez. Então, para ele, não importava se uma ideia era considerada absurda ou impossível de acontecer na vida real. O que importava, de fato, era se aquilo poderia ser traduzido em uma imagem bela e poderosa, que trouxesse satisfação e entretenimento para quem estivesse assistindo. Um exemplo disso é a vontade, de longa data, que o diretor tinha de encerrar um…

Leia mais
8.1
Cinema

Os fãs de “O Planeta dos Macacos” ganharam um presente recentemente, com a divulgação do primeiro teaser do mais novo filme da saga: “Planeta dos Macacos: A Guerra”, com lançamento previsto para o ano que vem. A quase quinquagenária franquia começou em 1968, com o filme simplesmente intitulado como “O Planeta dos Macacos” (Planet Of The Apes), adaptado do romance homônimo de Pierre Boulle e dirigido por Franklin J. Schaffner, com roteiro de Michael Wilson e Rod Serling. A história inicia com quatro astronautas humanos em sua nave espacial. Três estão em hibernação profunda e o outro está gravando uma…

Leia mais