Autor: Luiz Eduardo Luz

Publicitário, amante da sétima arte e colecionador de filmes, escreve sobre cinema para o Canto Dos Clássicos. Frase preferida do cinema: “Tudo bem, Sr. DeMille, estou pronta para o meu close-up.” – Crepúsculo dos Deuses.

8.2
Cinema

Hiroshima, Meu Amor A nouvelle vague, termo francês para “nova onda”, foi um movimento artístico cinematográfico ocorrido na França, no fim dos anos 50 e durante a década de 60. Cansados do peso dado ao roteirista pela escola do realismo poético francês, os realizadores dessa nova geração buscavam um cinema autoral, na qual o diretor e seus anseios criativos tivessem prioridade na execução do filme. O que caracterizava as obras dessa geração era a intransigência com a qual eles tratavam as normas tradicionais do cinema, tanto estética quanto politicamente, e a abordagem de temas primordialmente pessoais, como, por exemplo, o…

Leia mais
7.1
Cinema

Quando se fala de Stanley Kubrick, automaticamente concebemos a imagem de um realizador único, com capacidade de subversão e originalidade difíceis de serem igualadas por qualquer outra pessoa em seu meio de expressão: o cinema. O diretor de Nova Iorque produziu pouco em seus quase cinquenta anos de atividade. Foram treze filmes, dentre os quais se destacam grandes obras-primas como Glória Feita de Sangue, Dr. Fantástico e 2001: Uma Odisseia no Espaço. Porém, até os grandes mestres começaram em algum lugar. Em 1953, aos 25 anos de idade, Kubrick produziu, fotografou, editou e dirigiu seu primeiro filme: Medo e Desejo.…

Leia mais
8.4
Cinema

O filme The Maltese Falcon, traduzido como “Relíquia Macabra (O Falcão Maltês)”, de 1941, é tido, atualmente, como um dos grandes filmes de Hollywood e um marco na estética da linguagem cinematográfica. O roteiro do filme foi baseado no romance homônimo do escritor Dashiell Hammett. Antes de ser escritor, ele trabalhava como detetive, profissão da qual teve de se afastar devido a problemas de saúde. Hammett não era fã de como a literatura e o cinema tratavam as histórias de detetives, pois não as mostravam como elas realmente eram: violentas, localizadas nas ruas e becos das cidades, e repletas de…

Leia mais
8.5
Cinema

Quando foi lançado, em 1939, o filme No Tempo Das Diligências (Stagecoach) foi considerado por muitos o maior western já feito. Um heroico cowboy interpretado por John Wayne, que incorporava todas as virtudes do american dream, lutando contra um bando de índios malvados e salvando o dia. A direção do filme era de John Ford, maior vencedor da história do Oscar de Melhor Diretor, detentor de quatro estatuetas. Com o tempo, o retrato quase mitológico do velho oeste estadunidense foi sendo modificado. Os personagens não eram mais tão unilaterais, tampouco os índios eram retratados como os grandes vilões. A própria…

Leia mais
8.2
Cinema

Em um dia qualquer, o jovem Josef K. é acordado pela presença de homens estranhos em seu quarto, que imediatamente lhe dizem que será preso e terá que passar por um julgamento. O problema, porém, está no fato de que K. não fez absolutamente nada. É assim que se inicia o filme O Processo (Le Procès, 1962), escrito e dirigido pelo lendário Orson Welles, baseado no romance homônimo de Franz Kafka, escritor nascido no antigo Império Austro-Húngaro, atual República Tcheca. A insignificância do homem comum, quando colocado contra a pesada máquina judiciária estatal, é um dos principais temas dessa obra de Kafka. Sendo ele…

Leia mais